Após reforço na escolta, Marcelo Bretas se diz 'à vontade' para tocar processos da Lava Jato no Rio*



Publicado

Ricardo Paiva

Autor

Luísa Borges Pontes

Fotos

Data de Publicação

11/04/2017

Facebook

Twitter


O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, responsável pelos processos da Operação Lava Jato no estado, teve nesta segunda-feira (10) sua segurança pessoal reforçada, conforme antecipou o G1 na sexta-feira (7). Apesar da determinação, o magistrado disse estar "à vontade" para "tocar" os processos relativos aos casos no Rio de Janeiro.

"Estou muito à vontade para tocar o processo e agora com todas as condições dadas pelo tribunal", afirmou o juiz. Nos últimos meses, Bretas tem assinado as decisões que levaram à prisão nomes "de peso" no estado, como o ex-governador Sérgio Cabral e o ex-bilionário Eike Batista.

O juiz passou a atuar na Lava Jato quando, em 2015, o ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki - que morreu num acidente de avião em janeiro deste ano -, que era o relator dos casos relativos à operação no Supremo, determinou o desmembramento das investigações que antes ocorriam em Curitiba. O primeiro caso a chegar à 7ª Vara foi o de denúncias relativas ao caso da Eletronuclear.

O reforço na segurança foi uma medida implementada pelo desembargador André Fontes, que é o novo presidente do Tribunal Regional Federal (TRF), da 2ª região (Rio e Espírito Santo). O anúncio de Fontes sobre o complemento à defesa pessoal de Bretas foi feito em um pronunciamento de cinco minutos na sala de audiências da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, nesta segunda.

Em fevereiro, o juiz Bretas comunicou ao TRF "atos suspeitos" por receber informações de que um homem esteve na cantina do tribunal e também na portaria do prédio onde o magistrado mora. O suspeito chegou a perguntar sobre a rotina de Marcelo Bretas e de sua família.

"Espero que preservem a boa imagem da Justiça. Vim deixar claro o meu apoio [a Bretas]", afirmou o desembargador André Fontes. A escolta cuidará da segurança do magistrado e de sua família.

*Do site G1